Diria !
 
 

 


 

 
 

 
 
Desta vez Mazzaropi volta como aquele motorista do filme "Sai da Frente", o Isidoro Colepícola, junto com seu cachorro de estimação, o Coronel.

A fonte principal de pesquisa é a Cinemateca Brasileira.

Tudo começa com um acidente de trânsito.
Levado para a mansão da "vítima", Isidoro acaba descobrindo ser neto de um senhor idoso e doentinho que morre, deixando-lhe imensa fortuna.
Alguns momentos hilários envolvem o enterro de seu avô, a exigência de Isidoro para trocar o cheque por dinheiro,
a badalação de pessoas, autoridades, familiares e outros em relação ao novo milionário.
A vida de Isidoro se modifica inteiramente: a esposa começa a cobrar cada vez maiores mesadas, o velho caminhão é mantido por uma equipe de mecânicos, ele se atrapalha constantemente com o "breakfast", a filha se mostra "enfastiada" com seu quarto cheio de brinquedos.
Na porta da mansão que agora lhe pertence há várias campainhas, conforme a finalidade a que se destina. Há uma para "cobradores", outra para "analfabetos", "crianças", "fornecedores", por exemplo. e todas as manhãs seu mordomo prepara um banho com cédulas e moedas.

Em uma festa, Isidoro flagra que muitos de seus riquíssimos convidados o desprezam e ridicularizam, através de uma espécie de circuito interno de TV que também herdou do avô.
 Para vingar-se serve vinho da pior qualidade e depois vai consolar-se com os amigos em um boteco.
Isidoro redescobre as qualidades de uma vida simples e, após grandes confusões em sua mansão....
..........
.....................
...............................
 
Não conto!

Assista e dê boas risadas....
 
Curiosidades:
- A mansão foi alugada na Av. Paulista, São Paulo.
- Lançamento 27/10/52, em circuito de 38 cinemas em São Paulo e arredores.
Produção: Pio Piccinini -
Assistente de direção: Toni Rabatoni e Sérgio Hingst -
Argumento: Abílio Pereira de Almeida -
Fotografia: Nigel C. Huke -
Cenografia: Pierino Massenzi -
Montagem: Oswald Haffenrichter -
Som: Erick Rasmussen e Ernest Hack -
Trilha: Radamés Gnatalli
 
Não encontrei a trilha sonora do filme.
Fui pesquisar sobre Radamés Gnatalli e descobri um gênio:
"Radamés Gnattali (Porto Alegre, 27 de janeiro de 1906 — Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 1988) foi um músico instrumentista e compositor brasileiro. Foi também pianista, maestro e arranjador, especializado em choro."
É só digitar o nome no google.
Decidi então colocar como fundo, um trabalho ligado a ele.
Suite Retratos (Pixinguinha) - Chiquinho Do Acordeon & Raphael Rabello & Dininho & Radames Gnatalli
 
 

formatação_reginaLU

  

Fontes:
http://www.cinemateca.com.br/
http://www.museumazzaropi.com.br/mn_crono.htm
http://www.museumazzaropi.com.br/filmes/17japao.htm